TONI MORRISON, UMA GIGANTE LITERÁRIA.

toni morrison

Toni Morrison(1933-2019)

Quando a escritora Toni Morrison ganhou o premio Nobel de Literatura em 1993, o famoso jornalista Paulo Francis, do alto da sua torre intelectual em Nova York, criticou  a acadêmia sueca dizendo entre outras coisas que o prêmio foi ortogado a uma afroamericana para apaziguar os politicamente corretos. Com toda certeza Paulo Francis jamais leu alguns dos seus livros ou teve a oportunidade de entrevistar a grande escritora.

Toni Morrison, considerada uma das vozes literárias mais importantes da segunda metade do século XX, não somente nos Estados Unidos, mas ao redor do mundo, faleceu recentemente em Nova York. Ela estava com 88 anos.

Toni Morrison escreveu mais de onze livros, bem como livros de literatura infantil, e dezenas de ensaios literários. Entre suas obras mais conhecidas estão “Song of Solomon” de 1977, ganhador do premio “Book Critic Award” e “Beloved” ganhador do concorrido prêmio Pulitzer em 1988.

Beloved - Toni Morrison

Seus livros conseguiram sucesos tanto comercialmente como entre os criticos literários. A rainha da televisão nos EUA, Oprah Winfrey, através do seu Clube do Livro venerava os livros da escritora.

Além de fazer parte do prestigiosa universidde Princeton, Toni Morrison foi tema de vários estudos. Ao agraciar o premio Nobel de Literatura, a acadêmia sueca citou seus “romances caracterizados por uma força visionária e importação poética” através da qual a escritora “dá vida a um aspecto essencial da realidade americana”.

A senhora Morrison recheava estas realidades com a cadência da tradição oral da história afroamericana. Suas histórias nunca eram linear. Assim como num sonho elas moviam-se entre o passado e o futuro. Com isso mostrando todo o peso histórico nos minímos atos.

Para muitos crtíticos, suas histórias misturando vozes de homens, mulheres, crianças e fantasmas tinham uma enorme similaridade com as mitologias usadas por muitos escritores latinos americanos entre eles Gabriel Garcia Marquez.

Sula - Toni Morrison.jpg

Na sua escrita Toni Morrison sempre esteve preocupada com a escravidão e seu legado. Nos seus livros de ficção o passado mostrado de uma maneira horripilante junta-se a um mundo de alcolismo, estrupro, incesto e assassinato, recontado sem piscar os olhos.

“Beloved” publicado em 1988 é considerado sua obra prima. Seu primeiro livro a ter como pano de fundo fatos reais da história dos Estados Unidos, como a escravidão. Em 1998 o livro foi tranformado em filme dirigido por  Johnathan Demme estrelando Oprah Winfrey.

SongOfSolomon - Toni Morrison

Para os leitores da segunda metade do século XX, o que poderia chamar bastante a atenção nas suas história é a quase falta de personagens brancos, uma coisa relativamente rara nos livros de ficção da época. Além do mais, nos seus livros as histórias se passam em cidadezinhas e no meio-oeste “geralmente escapando dos cenários esteriotipados negros”, como disse a escritora em entrevista para o “Conversando com Toni Morrison”(1994), adicionando “não é plantação e nem é o gueto”.

“Busco profudanmente por ficção negra porque quero participar no desenvolvimento de um cânone de trabalhos negros”, disse a senhora Morrison numa entrevista citada no “The Dictionary of Literary Biograpry”. “Tivemos o primeiro ímpeto do entreterimento negro, onde negros escreviam para os brancos, e os mesmos encorajavam esta auto flagelação. Agora podemos cair nas graças da competência de escrever onde as pessoas negras estão falando com pessoas negras”./NYT