CINEMA – KU KLUX KLAN NAS MONTANHAS DO COLORADO

BlacKkKlansman-poster

john David Washington como o policial Ron Stallworth no filme  Infiltrado na Klan

O novo filme do diretor Spike Lee, Infiltrando na Klan,  coloca em foco(mais uma vez) a organização supremacista branca Ku klux Kan(KKK). Ele segue na trilha de pelo menos 3 antecessores: The Black Klansman(1966), Mississippi Burning(1988), e Django Unchained(2012), todos com o desejo de eliminar a KKK ou quem faz parte dela.

Desta vez, o dirtor que é reconhecido pelo seu trabalho extensivo em debater sobre tema racial nos EUA há  pelo menos 30 anos, nos leva a Colorado Spring, a pequena cidade no estado do Colorado no final da década dos anos 1970.

Usando imagens de dois filmes clássicos do cinema norte-americano, O Nascimento de Uma Nação(1915) e o Vento Levou(1940), para complementar sua história. Spike Lee usa eficazmente esta imagens iconoclastas para mostrar a estrutura racial nos Estados Unidos, e com isto é claro absorver a comunidade afroamericana de quaquer pecado, colocando-a simplesmente como vítima dentro de um país que forjou sua potência subjugando populações não brancas dentro do seu próprio país enquanto clamava na sua Constituição que todos os homens foram criados iguais com seus direitos inalienáveis.

Infiltrado na Klan é baseado no livro de memórias de Ron Stallworth que em 1978 com apenas 25 anos de idade tornou-se o primeiro detetive dentro do departamento de polícia na cidade de Colorado Spring. Como detetive sua primeira missão foi infiltrar numa reunião do movimento Poder Negro para obter informações sobre Stockley Carmichel, reconhecido depois como Kwame Turé.

Foi nesta mesma época que após ler um anúncio de recrutamento da KKK que ele decide por conta própria investigar as ações da organização.(Aparentemente o departamento de polícia local não sabia que havia na cidade uma filial da Ku Klux Klan)

Disfarçando a própria voz ele liga para David Duke(Topher Grace), a maior figura dentro da organização com idéias de preservar ainda mais a cultura e influência branca no país. Com a ajuda de todo departamento de polícia lidera uma investigação camuflada para obter as intenções da KKK na cidade.

No filme de Spike Lee Ron Stallworth(John David Washington) é um jovem idealista que sempre sonhou em ser um policial. A cena onde ele é entrevistado antes de entrar para a polícia pode ser considerada como um clássico de atuação cinematográfica.

David Duke

Topher Grace no papel de David Duke no filme Inflitrado na Klan

Com a ajuda de um colega de trabalho judeu branco  chamado Flip Zimmerman(Adam Driver) consegue se infiltrar na KKK e descobrir os planos maléficos contra negros e judeus. O ponto alto do filme mostra de um lado uma reunião da KKK onde seus membros aos assovíos e aplauos assistem ao clássico filme Nascimento de Uma Nação enquanto ao mesmo tempo um grupo de jovens ativistas do movimento Poder Negro ouve atentamente a história contada pelo cidadão negro Turrentine(Harry Belafonte) sobre o linchamento de um amigo na mesma época que o filme era mostrado na Casa Branca para o delírio do presidente Woodrow Wilson e todos convidados presentes.

Para dar mais realismo ao filme e compara-lo com a América de hoje, Spike Lee ao final mostra cenas do que aconteceu em Agosto do ano passado em Charlotteville, na Virgínia, onde ativistas contra racismo e supremacistas brancos se enfrentaram. Este recurso o diretor já havia usado em filmes anteriores como os logas Faça a Coisa Certa e Malcolm X.

Na sessão de cinema que assisti Infiltrado na Klan, a platéia era composta majoritariámente por pessoas brancas que aplaudiam a cada trapalhada da KKK. A cena onde Ron Stallworth brinca jocosamente pelo telefone com o lider David Duke foi a mais aplaudida.

Fiquei imaginando que esta mesma platéia que acabara de aplaudir mais um filme do diretor é a mesma que tem ajudado na gentrificação em vários bairros negros em Nova York. Ela com certeza não faz parte de nehuma organização racista ou de supremacia branca, mas daí a ter amigos negros vai uma longa distância. Ao menos durante duas horas no escurinho do cinema a platéia branca torceu pelo protagonista negro nocautear o inimigo branco.